Arquivo do autor:Mariana

Vote banana

Houvesse eleições na feira, na quitanda ou no supermercado, para eleger o soberano entre todos os hortifrutigranjeiros, e houvesse justiça no pleito, a eleita seria a banana. Pois entre legumes, verduras, frutas, e até mesmo considerando os ovos e o … Continuar lendo

Publicado em Crônicas | 4 Comentários

Barata tonta

Nas profundezas do sistema municipal de esgoto, um vislumbre de luz. Anteninhas se agitam em grande excitação. É hora, é hora! Prepara-se Filomena para subir à superfície. Um ralo fora do lugar! Chance rara e definitiva para elas, as baratas, … Continuar lendo

Publicado em Contos | 1 Comentário

Modo: vibracall

Deslizo lentamente, sob ritmo constante, sem temer o que há em frente – o abismo inevitável Sobre a mesa que estremece, desse meu destino cúmplice, tal qual se compadecesse, sigo firme a cada toque Logo um silêncio breve, rendição anunciada, … Continuar lendo

Publicado em Poesias | 1 Comentário

Despertadores

Hoje o céu amanheceu negro. Os despertadores tocaram como tocam todos os dias, mas ninguém acreditou que já era manhã. – Relógio maldito! – e os atiravam ao chão. (Hoje bilhões de despertadores precisam de conserto.) Às nove horas não … Continuar lendo

Publicado em Contos | Deixe um comentário

Do pó ao pó

De tudo que existe no mundo, do nosso primo macaco até a mãe da gente, incluindo o próprio Deus ou qualquer outra divindade em que se acredite; de todas as coisas que existem na face da Terra, enfim, acredito que … Continuar lendo

Publicado em Crônicas | 2 Comentários

Sobre as pequenas alegrias

Existe um segredo sobre as pequenas alegrias. Poucos sabem, mas, na verdade, elas são muito tristes e deprimidas. Imagine uma pequena alegria, cheia das boas intenções, que só queria agradar. (Uma dor de cabeça que passa, um elevador que aguarda … Continuar lendo

Publicado em Crônicas | 4 Comentários

Fósforos

Veja os fósforos, quarenta obstinados fósforos, tão firmes em seu único propósito. Riscar, acender, apagar. Riscar, acender, apagar. Diminutos kamikazes de madeira em pelotões de admirável presteza. (Quanta coragem se encerra em cada caixinha de fósforos!) Avante, pequenos soldados. Prossigam … Continuar lendo

Publicado em Poesias | 2 Comentários